INSPIRE - ME

copy paste

By  |  0 Comments

Por Fernando DeepLick

 

Lavoisier disse: “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Assim acontece na música. Um estilo vai se misturando com outro, novas tecnologias vão se unindo a antigas técnicas, e por aí vai. Eu mesmo tenho referências bem diferentes entre si: o Eletrônico Clássico, os Anos 80, o Rock, o House, o Breakbeat e, claro, a Música Brasileira. Tudo isso reverbera quando vou desenvolver o meu som. Não me sinto fazendo algo inteiramente novo mas sim misturas, que acabam criando um estilo autêntico. Nunca gostei muito, por exemplo, de simplesmente colocar um vocal em português numa batida de house. Simplificação sem consistência. Os bastidores da magia exige que o artista mergulhe em um núcleo essencial: o de si mesmo. Esse processo de amadurecimento é fundamental para fazer frutificar a arte visceral, a música que transforma e dá novos ares a todo o ciclo de constante transformação e ressignificação. Mas a urgência de pegar carona no que está na moda, de bombar nas redes sociais, de se fazer visto, faz muita gente querer encurtar esse caminho.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ 
 
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Com vocal em português ou não, minha opção é usar um ritmo de forma sutil, um jeito brazuca de tocar violão, uma escolha de composição com alma brasileira. Sempre me incomodei com o “copy-paste” que alguns colegas de profissão faziam de sucessos, sem ao menos colocar um tempero diferente. Já recebi conselhos e propostas para fazer isso ou aquilo, que com certeza iria bombar, que era sucesso garantido. Em todas essas ocasiões, preferi me manter em escalas de incompreensão, acreditando em algumas músicas quando ninguém mais acreditava. E, muito tempo depois, pude ver essas mesmas músicas se tornarem hits em rádios e pistas do Brasil e do mundo. Com o avanço da tecnologia ficou mais fácil apresentar ao público algo profissional – ou que pelo menos pareça profissional. Junto com isso, o crescimento do mercado de DJ’s chamou a atenção de pessoas que entraram nessa só para entregar o produto final, de um jeito bem empacotado e bonitinho, levando o conceito “copy-paste” a um outro nível, como filosofia de vida mesmo. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

⠀ 
 
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O Brasil tem uma geração nova de DJ’s / produtores incríveis, verdadeiros artistas que fazem suas próprias misturas. Mas junto com eles surgem também aqueles que só querem aparecer na foto. O tempo, como sempre, vai filtrar. E as cópias feitas com originalidade ficarão porque serão verdadeiras e feitas de coração. Só espero que todos se respeitem, que valorizem nossa cultura e que entendam que a arte vai muito além do Marketing. E para os que se utilizam dos serviços dos “ghost producers”, ou para aqueles que vivem de pegar carona no sucesso do momento, nada contra, mas digo: vão estudar. Vocês irão descobrir a maravilha que é deixar um legado. No fundo, é somente esse tipo de coisas que se leva – e se deixa – na vida.

 
 

multidão. grupo. tribo. galera. povão. vip. pessoas. artistas. poetas. humanos. ou não. plêiade vinda diretamente do espaço sideral. eu, tu, eles, nós, somos um só. nossa intenção? remexer. eu, tu, eles, nós.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *